Terça-feira, 14 de Março de 2006
A Duração dos Contratos de Arrendamento para Habitação no Novo Regime do Arrendamento Urbano
Os Contratos de Arrendamento Urbano para Habitação podem celebrar-se com prazo certo ou por duração indeterminada. Todavia, para que o contrato seja considerado com prazo certo, tal prazo tem de constar expressamente do contrato. Se nada constar, o contrato tem-se como de duração indeterminada. O prazo do contrato não pode ser inferior a 5 anos, nem superior a 30 anos e considera-se automaticamente renovado no seu termo, por períodos mínimos sucessivos de 3 anos, se outro prazo de renovação não estiver contratualmente previsto.
O inquilino pode opor-se à renovação automática do contrato, comunicando a sua intenção ao senhorio de não pretender a renovação. Tal decisão deve ser comunicada ao senhorio com a antecedência mínima de 120 dias, sob pena de serem devidas as rendas relativas ao período de pré-aviso que não foi cumprido.
Já o senhorio deverá respeitar o prazo de um ano, de modo a impedir a renovação automática do contrato, ou seja, terá de informar o inquilino com a antecedência mínima de um ano.
Nos contratos de duração indeterminada, a denúncia do contrato é igual para os inquilinos, devendo estes comunicar a sua intenção com a antecedência de 120 dias.
Já no tocante à denúncia promovida pelo senhorio a situação é bem diferente. O senhorio só poderá proceder à cessação de um contrato de duração indeterminada numa das seguintes situações:
1) Necessidade de habitação para si ou para algum dos seus filhos – neste caso, o senhorio terá de ser proprietário há mais de 5 anos, excepto no caso de ter herdado o prédio, e não poderá ter outra casa no mesmo concelho que satisfaça as mesmas necessidades, já que, se tiver várias casas, deverá denunciar o contrato que tenha celebrado há menos tempo.
2) Para demolição ou realização de obra de remodelação ou restauro profundos – neste caso o senhorio deverá, ou garantir o realojamento do arrendatário no mesmo concelho, ou indemnizar o arrendatário por todas as despesas e prejuízos tanto patrimoniais, como morais.
3) Mediante comunicação ao arrendatário com antecedência não inferior a 5 anos, sobre a data em que se pretenda a cessação, devendo confirmar a sua comunicação de denúncia do contrato, entre 15 meses e 1 ano relativamente à data em que pretende efectivar a cessação do contrato. Ou seja, o senhorio deverá proceder a 2 comunicações: uma com a antecedência de 5 anos e uma segunda, com a antecedência mínima de um ano e máxima de 15 meses.
Em quaisquer dos três casos apresentados, o senhorio deverá saber que deverá pagar ao arrendatário, uma indemnização de montante equivalente a um ano de renda.
* Advogada


publicado por Elisa Santos às 09:59
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De claudia c. tavares pinto a 19 de Outubro de 2009 às 12:48
olá.
bom dia
gostaria de saber como será no caso de uma pessoa comprar um bem penhorado que por sua vez tem um inquilino com um contrato a prazo certo. e que por sua vez o mesmo não se encontra no país


De Anderson a 11 de Junho de 2010 às 20:43
Como faço para deixar a habitação na qual resido a 13 meses,cujo contrato é de term certo em 5 anos?
Quanto tempo de antecedencia preciso dar ao inquilino?
Por favor responda-me !
Obrigado


De Cátia Rei da Costa a 28 de Dezembro de 2010 às 10:52
Bom dia,

Gostaria de saber se é possível.
Se quando no contracto de arrendamento celebrado não se encontra a descrição da facção do prédio mas apenas o prédio em geral.
O mesmo é legal?

Melhores Cumprimentos,
Cátia Costa


De Sandra Carmo a 14 de Janeiro de 2012 às 21:38
Gostaria de obter uma informação relativamente à minha situação que descrevo de imediato: resido actualmente numa casa onde fora celebrado um contrato por tempo indeterminado com inico a 28 JANEIRO de 2011 no entanto, recebemos um contacto telefónico da parte da senhoria alegando que iria vender a mesma habitação. Nesse mesmo contacto informou me tambem de que pretendia fazer o agendamento para um agente imobiliário deslocar-me á minha habitação para colocação de uma placa - Vende-se, bem como tirar fotos a esta, pelo que neguei visto o meu contrato ser de uma habitação sem mobilia e electrodomésticos e os meus pertences serem fotografados. Informei senhorio de k legalmente poderá fazer a visita para constatação do estado da mesma sem obter imagens ou fotos dos meus percebes. Gostariamos de saber se esta situação é legal, bem como a mesma nos inforou que daqui a um ano já não poderiamos estar a habitar esta casa. Gostariamos de saber como agir nos proximos contctos que obtermos da parte dela.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Cancelamento de Matrícula

A dupla nacionalidade, po...

Direitos de Personalidade...

Os Serviços de Higiene, S...

O Subsídio de Desemprego

A ASAE

As Novas Regras do Crédit...

O Acesso ao Direito e aos...

A Acção Popular

As Obrigações Solidárias

arquivos

Julho 2013

Janeiro 2012

Julho 2009

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds