Domingo, 12 de Junho de 2005
Direito a Férias
O Direito a Férias

O Direito a Férias está regulado no Código de Trabalho, mais concretamente nos artigos 211º e seguintes. Desta feita pretendemos elaborar uma análise simplificada do referido direito a férias.
Desde logo, as férias são marcadas por acordo entre trabalhador e empregador e, na falta de acordo, devem ser marcadas pelo empregador entre 1 de Maio e 31 de Outubro.
O período anual de férias tem a duração mínima de 22 dias úteis. Todavia, no caso de o trabalhador não ter faltado ou de ter apenas faltas justificadas, esse período deve ser aumentado em 3 dias de férias. Assim, se o trabalhador, durante o ano de trabalho, só tiver faltado um dia ou 2 meios-dias, deve ser aumentado em 3 dias de férias; se o trabalhador tiver faltado 2 dias ou 4 meios-dias, deverá ser aumentado em 2 dias de férias; por fim, se o trabalhador tiver faltado 3 dias ou 6 meios-dias, deverá ver as suas férias aumentadas em apenas um dia. Ou seja, se um trabalhador, durante o ano de trabalho só tiver faltado um dia, deverá gozar 25 dias úteis de férias.
Por outro lado, o trabalhador pode renunciar parcialmente ao direito a férias, recebendo a retribuição e o subsídio respectivos, sem prejuízo de ser assegurado o gozo efectivo de 20 dias úteis de férias, ou seja, tem sempre que gozar 20 dias de férias.
Também é importante referir que no caso de o trabalhador adoecer durante o período de férias, estas suspendem-se, desde que o empregador seja informado do facto, prosseguindo logo após a alta, o gozo dos dias de férias em falta.
Vale a pena também informar que o trabalhador não pode exercer durante as férias qualquer outra actividade remunerada, salvo se já a viesse exercendo cumulativamente ou o empregador o autorizar a isso.
Por último convém esclarecer que no ano da contratação, o trabalhador tem direito, após 6 meses completos de execução do contrato, a gozar 2 dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até ao máximo de 20 dias úteis. Por outro lado, nos contratos de duração inferior a 6 meses, no momento da cessação do mesmo, o trabalhador, imediatamente antes da referida cessação, gozará 2 dias úteis de férias por cada mês de trabalho efectivo.


publicado por Elisa Santos às 12:34
link do post | comentar | favorito

Domingo, 5 de Junho de 2005
Direito ao Trespasse
O Direito ao Trespasse

O Direito ao Trespasse existe sempre que se seja arrendatário (inquilino) de um estabelecimento comercial ou industrial. O que é essencial para haver trespasse é que o estabelecimento se transmita como um todo, como uma unidade económica, portadora de individualidade própria. Ou seja, a transmissão da posição de arrendatário deverá ser acompanhada da transferência das instalações, mercadorias, utensílios, de todos os elementos que asseguram o funcionamento do estabelecimento.
O Trespasse não necessita de autorização do senhorio, tendo este todavia, direito de preferência. Assim, no caso de pretender trespassar o seu estabelecimento comercial ou industrial deverá enviar uma carta registada com aviso de recepção ao seu senhorio, comunicando-lhe o valor do trespasse, as condições de pagamento e a identificação do adquirente. O senhorio tem 8 dias para comunicar se pretende exercer a preferência. Se nada disser dentro desse prazo, o inquilino fica completamente livre para trespassar o seu estabelecimento comercial ou industrial.
Todavia, embora não seja necessária a autorização do senhorio, é necessário que o trespasse lhe seja comunicado no prazo de 15 dias sobre a data da celebração do Contrato de Trespasse. Apesar de tal comunicação poder ser feita por forma, tanto verbal, como escrita, aconselhamos a comunicação por carta registada com aviso de recepção. Isto porque se a comunicação não for feita ao senhorio, este ao tomar conhecimento do trespasse e da existência de um novo arrendatário, poderá não o reconhecer como seu novo inquilino, e intentar contra ele uma acção de despejo.
Convém não confundir o Direito ao Trespasse e tudo o que dissemos anteriormente com aquelas situações em que o arrendatário pretende ceder o espaço de que é inquilino para nele ser instalado um outro ramo de negócio, diferente do seu. Esta situação não se trata de um verdadeiro trespasse e só se poderá fazer com a autorização do senhorio que celebrará com o novo inquilino, caso haja entendimento, um novo contrato de arrendamento, com novas condições, nomeadamente as relativas ao preço da renda.
Haverá ainda que acrescentar que alguns contratos de arrendamento conferem o direito ao inquilino de trespassar para qualquer ramo de negócio. No entanto, é necessário que tal conste no contrato de arrendamento, o que não é muito frequente. Se for esse o seu caso, aplica-se tudo o que se disse na primeira parte, ou seja, não é necessária autorização do senhorio, gozando este, contudo, do direito de preferência e devendo ser-lhe comunicada a celebração do trespasse.


publicado por Elisa Santos às 17:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Propriedade Horizontal - Condomínio
Propriedade Horizontal – Condomínio

Regulamento do Condomínio – A lei impõe a existência de um regulamento, havendo mais de 4 condóminos. A sua elaboração compete à Assembleia de Condóminos ou ao Administrador, caso aquela não o haja feito.
O Regulamento do Condomínio visa disciplinar o uso, a fruição e a conservação, quer das partes comuns, quer das fracções autónomas. É, por exemplo, no Regulamento que deve estar disciplinada a posse de animais de estimação pelos condóminos.
Uma vez aprovado pela Assembleia de Condóminos, o Regulamento passa a ter valor legal, vinculando os condóminos. Para o efeito não carece de ser registado na Conservatória do Registo Predial.

Obras nas Partes Comuns com Recurso ao Crédito – Tratando-se de obras de vulto deverá ser a Assembleia de Condóminos a aprovar a referida obra, o seu orçamento e o modo de financiamento. Se a Assembleia de Condóminos deliberar pelo recurso ao crédito bancário, o contrato de empréstimo deverá ser assinado pelo Administrador em funções. Todavia, como este estará a executar uma deliberação da Assembleia de Condóminos, actua como representante do condomínio e a responsabilidade pelo cumprimento do contrato de crédito é de todo o condomínio e não da pessoa que assinou o contrato.

Quem Paga as Despesas do Condomínio? – Existe uma questão assaz debatida entre senhorios e inquilinos sobre quem deverá pagar a comummente designada Taxa de Condomínio. Ora, a Taxa de Condomínio sendo a quantia devida para suportar as despesas de fruição das partes comuns, como sejam as despesas de electricidade, água, limpeza de escadas e manutenção do elevador, ficam a cargo do proprietário da fracção autónoma (senhorio).
Todavia, o artigo 40º do Decreto-Lei nº 321-B/90, de 15 de Outubro, dispõe que as despesas correntes necessárias à fruição das partes comuns do prédio e ao pagamento de serviços de interesse comuns podem, por acordo, entre as partes (senhorio e inquilino) ficar a cargo do arrendatário (inquilino).
No entanto, esta disposição não abrange a taxa de saneamento, o imposto de incêndio e outros impostos municipais.


publicado por Elisa Santos às 17:09
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Cancelamento de Matrícula

A dupla nacionalidade, po...

Direitos de Personalidade...

Os Serviços de Higiene, S...

O Subsídio de Desemprego

A ASAE

As Novas Regras do Crédit...

O Acesso ao Direito e aos...

A Acção Popular

As Obrigações Solidárias

arquivos

Julho 2013

Janeiro 2012

Julho 2009

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds